Brasões – 3º CIPM

3ª COMPANHIA INDEPENDENTE DE POLÍCIA MILITAR (3ª CIPM)

Autoria do Brasão:

Maj QOC GLAUCO CÉSAR DA SILVA PAIVA

Descrição Heráldica:

Maj QOC GLAUCO CÉSAR DA SILVA PAIVA

Apoio Técnico:

Cb QPC PÉTALA PEREIRA DE SANTOS MEDEIROS

Brasão:

• Escudo peninsular português, chefe com dois campos, em faixa, o superior de goles e o inferior de sable, contendo com a inscrição “3a CIPM”, em ouro, cortado, o primeiro de prata, com um par de bucaneiras (garruchas) em aspa, de ouro, cosidas de sable, partido, de prata, com o numeral “3”, de goles, três pontas de lança heráldica, postas em roquete, formando um triângulo imaginário com suas setas apontadas para os ângulos dessa figura geométrica, todas de ouro, o segundo de prata, com quatro ondados de blau, uma flama de ouro realçada de goles, orlada por dez estrelas, sendo cinco de seis raios e cinco de sete raios, altemadamente, de goles e de ouro respectivamente.

Simbologia e alusão das peças:

• As bucaneiras (garruchas) representam a Polícia Militar, Instituição da qual fazem parte os integrantes da 3a CIPM;
• O numeral “3” indica a designação da OPM;
• As lanças heráldicas, divergindo do algarismo, simbolizam a abnegação, a presteza e a bravura da Companhia nas ações em defesa da sociedade e manutenção da ordem pública;
• Os ondados fazem menção às águas do Boqueirão, importante açude localizado na região do município de Queimadas, onde está sediada a 3a CIPM;
• A flama faz memória aos idos 1882, época em que o solo, nas cercanias de Queimadas, era abundantemente coberto pela vegetação conhecida por “macambira”, que era incendiada para facilitar a prática da caça. Daí se originou o topônimo daurbe: QUEIMADAS; e
• As estrelas de seis raios e de sete raios são uma alusão, respectivamente, às famílias Tavares e Muniz que edificaram, por volta de 1882, as duas primeiras casas na região onde hoje é a urbe sede da Companhia.