Brasões – 2º CIPM

2ª COMPANHIA INDEPENDENTE DE POLÍCIA MILITAR (2ª CIPM)

Autoria do Brasão:

Maj QOC GLAUCO CÉSAR DA SILVA PAIVA

Descrição Heráldica:

Maj QOC GLAUCO CÉSAR DA SILVA PAIVA

Apoio Técnico:

Cb QPC PÉTALA PEREIRA DE SANTOS MEDEIROS

Brasão:

• Escudo peninsular português, chefe com dois campos, em faixa, o superior de goles e o inferior de sable, contendo a inscrição “2ª CIPM”, em ouro, cortado, o primeiro de prata, com um par de bucaneiras (garruchas) em aspa, de ouro, cosidas de sable, partido, de prata, com três flechas de hastes de ouro e setas e penas de goles, enfeixadas, as pontas ao alto, arco de ouro com corda e cordão de punho de goles, tudo cosido de sable, o segundo de prata com três faixas de goles.

Simbologia e alusão das peças:

• As bucaneiras (garruchas) representam a Polícia Militar, Instituição da qual fazem parte os integrantes da 2a CIPM;
• O arco e as flechas simbolizam a segurança ofertada aos cidadãos e também a nobreza das ações da Companhia Independente em defesa da sociedade e manutenção da ordem pública; e
• O campo de prata com as faixas de goles são a representação do brasão de armas da família Silveira, visto que o pernambucano Duarte Gomes da Silveira, no fim do século XVI e início do século XVII, se destacou como o mais esforçado, dentre outros povoadores, na colonização da região onde hoje é o município de Mamanguape, sede da 2a CIPM.