Paraíba apresenta modelo enfrentamento à violência durante evento em Brasília

Representantes da Secretaria da Segurança Pública e da Defesa Social e das polícias Militar, Civil e do Corpo de Bombeiros Militar da Paraíba apresentaram, em Brasília, o modelo de padronização dos índices de criminalidade e premiação por metas atingidas na redução de homicídios no estado, previstos no Programa Paraíba Unida pela Paz. A exposição aconteceu durante a primeira reunião sobre a Doutrina Nacional de Atuação Integrada de Segurança Pública (DNAISP), que aconteceu nos dias 21 e 22 de março, na Academia Nacional de Polícia, em Brasília (DF).

O encontro foi realizado pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, por meio da Secretaria de Operações Integradas (Seopi), com o objetivo de padronizar e orientar o desenvolvimento dos ciclos de planejamento, execução, monitoramento, avaliação e consolidação das ações e operações integradas de segurança pública e defesa social.

“Tivemos a oportunidade de falar sobre o Programa Paraíba Unida pela Paz, em que são estabelecidas metas, seja por região, seja por área, e também da premiação que é dada aos que alcançam essas metas, o que foi muito bem recepcionado e que pode ser utilizado em âmbito nacional”, explicou o tenente coronel Lavoisier José Souza, assessor de Ações Estratégicas da Secretaria da Segurança e da Defesa Social da Paraíba. Segundo ele, os estados tiveram a oportunidade de expor as suas experiências e diretrizes, a fim de que algumas sejam estabelecidas e seguidas por todos os entes da federação.

O secretário de Operações Integradas do Ministério da Justiça e da Segurança Pública, Rosalvo Franco, destacou que a doutrina nacional fortalece a atuação integrada, mantendo e respeitando a autonomia dos entes federativos e suas atribuições institucionais. “A expectativa é fazer os ajustes necessários à doutrina para as operações resultarem nas diretrizes defendidas pelo MJSP: combate à corrupção, crime organizado e crimes violentos”, afirmou.

De acordo com o Ministério, a metodologia apresentada já foi utilizada pelo Centro Integrado de Comando e Controle Nacional (CICCN) em grandes eventos sediados no Brasil, como Copa do Mundo e Olimpíadas, e aperfeiçoada para a segurança pública ordinária do país foi validada por meio da Portaria nº 222 de 28 de dezembro de 2018.